As mentiras do Apocalipse Protestante! 

Paulo levava esposa, ou, colaboradoras? I Cor 9:5

Paulo levava esposa, ou, colaboradoras? I Cor 9:5

Paulo levava esposa, ou, colaboradoras em suas missões? (I Cor 9: 5).

São Paulo e seus discípulos levavam as suas esposas, ou, suas colaboradoras em suas viagens missionarias, assim como os irmãos do Senhor e São Pedro? Observem esse texto:

“Acaso não temos nós direito de deixar que nos acompanhe UMA MULHER IRMÃ, a exemplo dos outros apóstolos e dos irmãos do Senhor e de Cefas?” (I Coríntios, Capítulo IX, Verso V)

Caros irmãos observem que, literalmente, São Paulo se refere a UMA MULHER IRMÃ, pois, dessa forma, está escrito no grego, observem:

“mh ouk ecomen exousian adelfhn (IRMÃ) gunaika (MULHER) periagein wV kai oi loipoi apostoloi kai oi adelfoi tou kuriou kai khfaV” (I Coríntios, Capítulo IX, Verso V)

O que vemos nesse texto? Simples, São Paulo usando os termos:

 

  • Adelphn = Irmã.
  • Gunaika = MULHER.

 

Nesse caso, muito engraçado por sinal, para os protestantes, “Adelphoi” (IRMÃ) pode ser empregado no sentido de: “CRENTE”, contrariando aquilo que eles pregam, pois, segundo os mesmos, “Adelphoi”, significa apenas nascidos do mesmo útero. Mas, nesse artigo, eu irei refutar apenas o termo grego: “GUNAIKA”, ou, “GUNÉ”, que, significa literalmente: “MULHER”, porém, dependendo do contexto, pode ser traduzido como: “ESPOSA” (em casos específicos).

Infelizmente, nossos amigos protestantes, adulteraram esse texto substituindo o temor: MULHER por ESPOSA. Assim, a protestada, utilizando-se de sofismas e embustes baratos, derrubou a doutrina do CELIBATO sacerdotal. Infelizmente, para o homem carnal (protestantes), é impossível entender o celibato.

Partindo do principio que, o termo: GUNAIKA, segundo o léxico, pode sim ser traduzido como: ESPOSA, então, nós podemos concluir que, a protestada, poderia estar com a razão, não é verdade! Mas, infelizmente, o termo: GUNAIKA, nesse caso e dentro desse contexto, só pode ser traduzida como: MULHER IRMÃ, ou seja, São Paulo se referia as suas colaboradoras, no qual, ajudavam os apóstolos em suas missões (eu explicarei melhor abaixo).

Primeiramente, vamos observar aquilo que, a concordância Strong (1135) diz a respeito do termo:

 

Guné: a woman.

  • Original Word: γυνή, αικός, ἡ.
  • Part of Speech: Noun, Feminine.
  • Transliteration: guné.
  • Phonetic Spelling: (goo-nay').
  • Short Definition: a woman, wife, my lady.
  • Definition: a woman, wife, my lady.

 

Segundo a concordância Strong, em primeiro lugar, o termo se traduz como: MULHER. Dependendo do contexto sugerido pelo autor, ai sim, podemos definir se essa mulher refere-se a uma MULHER apenas, ou, uma ESPOSA. Quanto ao termo: IRMÃ, isso não mudará o contexto.

Nesse momento, vamos acompanhar algumas traduções das “bribas” protestantes, observem:

“E também o de fazer-nos acompanhar de uma mulher irmã, como fazem os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (Almeida Revista Atualizada 1993)

“Não temos nós direito de levar conosco uma mulher irmã, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (Almeida Revista e Corrigida)

“Não temos nós direito de levar conosco uma mulher irmã, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (Almeida Revista Corrigida 1995)

“E também o de fazer-nos acompanhar de uma mulher irmã, como fazem os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (João Ferreira de Almeida Atualizada 1987)

“Não temos nós direito de levar conosco uma mulher irmã, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (João Ferreira de Almeida Corrigida 1948)

Resumindo, praticamente todas as Ferradas por Almeida, revisadas e atualizadas, não conseguiram adulterar esse famoso versículo Bíblico. Por que eles não conseguiram adulterar? Simples, porque eles seguiram todo o contexto e levaram em consideração as possíveis contradições Bíblicas que isso acusaria.

Agora, vamos observar algumas traduções Católicas:

"Acaso não temos nós direito de deixar que nos acompanhe uma mulher irmã, a exemplo dos outros apóstolos e dos irmãos do Senhor e de Cefas?" (Versão Ave Maria)

Não temos o direito de levar conosco uma irmã em Cristo, como fazem os outros apóstolos e os irmãos do Senhor e Cefas?” (Versão CNBB)

“Ou não temos direito de levar conosco nas viagens uma mulher cristã, como fazem os outros apóstolos e os irmãos do Senhor, e Pedro?” (Versão Pastoral)

"Acaso não temos nós direito de deixar que nos acompanhe uma mulher irmã, a exemplo dos outros apóstolos e dos irmãos do Senhor e de Cefas?" (Bíblia de Jerusalém Versão em espanhol e Italiano)

"a viajar en compañía de una mujer creyente, como lo hacen los demás Apóstoles, los hermanos del Señor y el mismo Cefas?" (El libro del Pueblo de Dios)

“Have we not the right to bring along with us a sister as do the other apostles and the brothers of the Lord, and Cephas?” (Christian Community Bible)

“Do we not have the authority to travel around with a woman who is a sister, just as do the other Apostles, and the brothers of the Lord, and Cephas?” (Catholic Public Domain Version)

"numquid non habemus potestatem sororem mulierem circumducendi sicut et ceteri apostoli et fratres Domini et Cephas" (Vulgata Latina)

Depois desse show de versões bíblicas, protestantes e católicas, eu irei fazer a explanação do porque esse terno, dentro desse contexto, jamais poderia ser traduzido como: ESPOSA. Primeiramente, eu irei colocar nesse momento, a versão protestante ADULTERADA. Observem:

“Não temos nós direito de levar conosco UMA esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (Ferrada por Almeida, gaviões da fiel)

Como eu sempre afirmei e repito, hoje, a protestada não vive mais de versículos isolados, agora, eles vivem de pequenos trechos de versículos isolados. Observem o contexto, em que, esse versículo está inserido:

Não sou eu apóstolo? Não sou livre? Não vi eu a Jesus Cristo Senhor nosso? Não sois vós a minha obra no Senhor? Se eu não sou apóstolo para os outros, ao menos o sou para vós; porque vós sois o selo do meu apostolado no Senhor. Esta é minha defesa para com os que me condenam. Não temos nós direito de comer e beber?” (I Coríntios, Capítulo IX, Versos I ao IV, Versão: gaviões da fiel)

Nesse contexto, São Paulo está fazendo algumas indagações sobre algo, no qual, ele era, fazia, possuía e tinha conquistado por direito. Prestem atenção nos termos por ele usados:

 

  • Eu sou apóstolo.
  • Eu vi o Senhor.
  • Eu tenho o direito de comer e beber.

 

Os questionamentos feitos por São Paulo dava-se por questões, no qual, ele vivia, ou seja, ele “ERA APÓSTOLO”, e não, “UM DIA ELE PODERIA SER APÓSTOLO”.

Logo em seguida, no mesmo contexto, ele faz outra indagação, e, agora, ele cita o texto adulterado pelos protestantes, observem:

“Não temos nós direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (Ferrada por Almeida, gaviões da fiel)

Nesse contexto, segundo a Ferrada por Almeida, São Paulo questiona o direito de poder “LEVAR A SUA ESPOSA” em suas viagens missionárias. E por sinal, no contexto adulterado, São Paulo também sugere que, São Pedro levava a sua esposa em suas missões. Mas, será que isso não entra em uma contradição, já que, o mesmo São Paulo, no mesmo livro, afirma ser celibatário? Observem:

“Aos solteiros e às viúvas, digo que lhes é bom se permanecerem assim, como eu (I Coríntios, Capítulo VII, Verso VIII)

Agora eu pergunto aos protestas: São Paulo fazia indagações a respeito daquilo que ele era, fazia, possuía e vivia, e não, daquilo que ele poderia ser. Qual o sentido de São Paulo indagar algo sobre aquilo que ele não era, e, nunca seria? Lembramo-nos de que, São Paulo era solteiro e pregava constantemente que, os sacerdotes fossem como ele.

E falando de São Pedro, será que São Pedro levava UMA de suas esposas em suas missões? Bem, caros leitores, a questão é que, no caso de São Pedro, também existe uma contradição, já que, o mesmo, diz ter abandonado a vida matrimonial para seguir Jesus Cristo, sendo que, o próprio Salvador afirma isso. Observem:

AQUI ESTÃO AS PALAVRAS DE JESUS CRISTO:

“Ora, eu vos declaro que todo aquele que rejeita sua mulher, exceto no caso de matrimônio falso, e desposa uma outra, comete adultério. E aquele que desposa uma mulher rejeitada, comete também adultério. Seus discípulos disseram-lhe: Se tal é a condição do homem a respeito da mulher, é melhor não se casar! Respondeu ele: Nem todos são capazes de compreender o sentido desta palavra, mas somente aqueles a quem foi dado. Porque há eunucos que o são desde o ventre de suas mães, há eunucos tornados tais pelas mãos dos homens e há eunucos que a si mesmos se fizeram eunucos por amor do Reino dos céus. Quem puder compreender, compreenda” (Evangelho de São Mateus, Capítulo XIX, Versos IX ao XII)

Indagaram Jesus Cristo a respeito do adultério e do divórcio. Jesus Cristo diz que, rejeitar SUA (pronome possessivo) ESPOSA e desposar outra, é adultério. Em seguida os discípulos dizem que, É MELHOR NÃO SE CASAR. Por sua vez, Jesus Cristo afirma que existirão EUNUCOS que se farão de EUNUCOS por amor ao reino dos céus.

CONTINUANDO O TEXTO, SÃO PEDRO TOMA A PALAVRA:

Pedro então, tomando a palavra, disse-lhe: Eis que deixamos TUDO para te seguir. Que haverá então para nós? Respondeu Jesus: Em verdade vos declaro: no dia da renovação do mundo, quando o Filho do Homem estiver sentado no trono da glória, vós, que me haveis seguido, estareis sentados em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel. E todo aquele que por minha causa deixar irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos, terras ou casa receberá o cêntuplo e possuirá a vida” (Evangelho de São Mateus, Capítulo XIX, Versos XVII ao XXIX)

São Pedro então diz que, largou TUDO para seguir Jesus Cristo. TUDO é TUDO, e não, a metade. Por sua fez Jesus Cristo responde dizendo que, esse tudo, refere-se: irmãos, irmãs, pai, mãe, MULHER, FILHOS, terras e casas.

Segundo Jesus Cristo, esse TUDO, refere-se também a vida matrimonial, ou, a briba mente? Engraçado que esse diálogo seu deu justamente por causa do celibato (eunucos por amor ao Reino)!

Sabendo que São Paulo era celibatário, São Pedro largou a vida matrimonial para seguir Jesus Cristo, e, São Paulo fazia indagações daquilo que ele era, fazia, possuía e vivia. Jamais São Paulo poderia estar referindo-se a ESPOSA, pois, se assim fosse, ele estaria se contradizendo no seu próprio livro, e, de quebra, transformado o Evangelho de São Mateus em um livro apócrifo.

Mas, voltando ao assunto, segundo o léxico, o termo GUNAIKA, presente no assunto desse artigo, pode ser traduzido como MULHER, ou, como ESPOSA (em casos específicos), dependendo do contexto em que ele for inserido. Mas, existe uma regra, no qual, podemos usar para identificar se o termo é referente a uma simples mulher, ou, esposa. Observem esse texto:

“E, ao terceiro dia, fizeram-se umas bodas em Caná da Galileia; e estava ali a mãe de Jesus. E foi também convidado Jesus e os seus discípulos para as bodas.
E, faltando vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Não têm vinho. Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora”
(Evangelho de São João, Capítulo II, Versos I ao IV)

Nesse texto, Jesus refere-se a sua própria mãe como MULHER. Agora observem esse outro:

“E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua ESPOSA, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo; E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz; Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco. E José, despertando do sono, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua ESPOSA (Evangelho de São Mateus, Capítulo, I Versos XX ao XIV)

Os dois textos se referem a Virgem Maria, os dois usam o termo GUNAIKA para ser referir a mesma, mas, o primeiro, trata a Bem Aventurada como MULHER, e, o segundo, trata Maria como ESPOSA. Qual é a diferença entre os dois textos? A resposta é simples, no primeiro texto, além de Maria ser mãe do Salvador, o termo GUNAIKA não vem acompanhado de um pronome possessivo, já o segundo texto, o termo GUNAIKA vem acompanhado de um pronome possessivo como TUA, ou, SUA. Simples assim.

No texto referido pelos protestantes, São Paulo se utiliza de um artigo indefinido (UMA) ao invés de usar um pronome possessivo (NOSSAS). Vamos reler o texto:

"Acaso não temos nós direito de deixar que nos acompanhe UMA mulher irmã, a exemplo dos outros apóstolos e dos irmãos do Senhor e de Cefas?" (Versão Ave Maria)

Se realmente São Paulo estivesse referindo-se ao termo: ESPOSA, o texto deveria passar por uma mudança radical em sua estrutura gramatical. Vamos fazer uma analise. São Paulo refere-se e ele, e, também, a outros discípulos quando o mesmo diz: “Acaso não temos NÓS direito”. Como levar UMA esposa para TODOS NÓS? No caso, o texto, deveria estar escrito dessa forma:

"Acaso não temos NÓS direito de deixar que nos acompanhe AS NOSSAS ESPOSAS CRENTES, a exemplo dos outros apóstolos e dos irmãos do Senhor e de Cefas?" (Versão Ave Maria)

Infelizmente, o termo MULHER, só se transforma em ESPOSAS, quando o mesmo vem acompanhado de um pronome possessivo, principalmente no mundo antigo, o marido tinha a posse de SUA mulher. Quando o termo MULHER vem acompanhado de um artigo indefinido, no caso, o termo: UMA, o artigo apenas está indicando o número e gênero como no exemplo abaixo:

 

Exemplos com artigos indefinidos.

  • Estou procurando um professor de português. (um professor qualquer).
  • Estou procurando uma professora de matemática. (uma professora qualquer).
  • O colégio vai contratar uns professores novos. (uns professores quaisquer).
  • O colégio vai contratar umas professoras novas. (umas professoras quaisquer).

 

Artigos são palavras que acompanham os substantivos, indicando o número (singular ou plural) e o gênero (masculino ou feminino) desses substantivos.

 

  • Um: artigo indefinido indicativo do masculino singular: um amigo.
  • Uns: artigo indefinido indicativo do masculino plural: uns amigos.
  • Uma: artigo indefinido indicativo do feminino singular: uma amiga.
  • Umas: artigo indefinido indicativo do feminino plural: umas amigas.

 

Então, caros protestantes, eu lhes deixo mais essa dica para adulterar um pouquinho mais “las bribas do cês”. Isso vira uma bola da neve, infelizmente!

Na tentativa desesperada de abolir o celibato, que por sinal é Bíblico, os rebelados recorrem a tudo: pensadores, poetas, pseudos teólogos etc. Só não recorrem para o racional, o que seria mais justo! Mas, os padres da Santa Igreja não ficam de fora das sandices protestantes, eles tentam transformar os padres da Santa Igreja em protestantes; é mole! Existe um artigo rolando na “NET”, escrito por um pseudo Cristão, no qual, o mesmo cita São João Crisóstomo. O foi texto retirado da famosa "New Advent", porém, o grande problema, é que, apenas a citação Bíblica mencionada por São João Crisóstomo, no qual, provém do termo grego GUNAIKA, foi traduzida por ESPOSA. Já os comentários a respeito do texto, São João Crisóstomo não faz menção ao termo esposa, ele apenas diz que os apóstolos não viajavam sozinhos. Observem (tradução realizada pelo grupo macabeus):

Comentários de São João Crisóstomos sobre I Coríntios 9: 5.

“Have we no right to eat and to drink? Have we no right to lead about a wife that is a believer? Why, how are these sayings a defence? Because, when it appears that I abstain even from things which are allowed, it cannot be just to look suspiciously on me as a deceiver or one acting for gain”.

Tradução: Não temos direito de comer e beber? Não temos o direito de levar uma ESPOSA que é uma CRENTE? Por que, como essas palavras são uma defesa? Porque, quando parece que eu abstendo-me até mesmo das coisas que são permitidas, não pode ser apenas para parecer-me duvidoso como um enganador ou alguém que age para proveito próprio.

“Wherefore, from what was before alleged and from my having instructed you and from this which I have now said, I have matter sufficient to make my defence to you: and all who examine me I meet upon this ground, alleging both what has gone before and this which follows: Have we no right to eat and to drink? Have we no right to lead about a wife that is a believer? Yet for all this, having it I abstain?”.

Tradução: Por isso, do que antes foi alegado, e, de eu ter instruído você, e, do que já disse, eu tenho argumento suficiente para fazer minha defesa para você: e todos os que me examinam, eu encontro sobre essa base, alegando tanto o que foi antes e o que segue: não temos direito de comer e beber? Não temos o direito de levar uma ESPOSA que é uma CRENTE? No entanto, por tudo isso, tentando abster-me?

“What then? Did he not use to eat or to drink? It were most true to say that in many places he really did not eat nor drink: for 1 Corinthians 4:11 in hunger, says he, and in thirst, and in nakedness we were abiding. Here, however, this is not his meaning; but what? We eat not nor drink, receiving of those whom we instruct, though we have a right so to receive”.

Tradução: O que então? Ele não costuma comer ou beber? Era muito verdadeiro dizer que em muitos lugares ele realmente não come nem bebe: para (1 Coríntios 4:11) com fome, diz ele, e com sede e na nudez, nós permanecemos. Aqui, no entanto, não é o que ele quis dizer; mas o que? Não comemos nem bebemos, recebendo daqueles a quem instruímos, embora, tenhamos o direito de receber.

“Have we no right to lead about a wife that is a believer, even as the rest of the Apostles, and the brethren of the Lord, and Cephas? Observe his skilfulness. The leader of the choir stands last in his arrangement: since that is the time for laying down the strongest of all one's topics. Nor was it so wonderful for one to be able to point out examples of this conduct in the rest, as in the foremost champion and in him who was entrusted with the keys of heaven. But neither does he mention Peter alone, but all of them: as if he had said, Whether you seek the inferior sort or the more eminent, in all you find patterns of this sort”.

Tradução: Não temos o direito de levar uma ESPOSA que é uma CRENTE, mesmo como o resto dos apóstolos, os irmãos do Senhor e Cefas? Observe sua habilidade. O líder do coro permanece o último em seu arranjo: já que é hora de estabelecer o mais forte de todos os tópicos. Nem foi tão maravilhoso que alguém possa apontar exemplos dessa conduta, no resto, como acima de tudo, o principal campeão e naquele que foi confiado com as chaves do céu. Mas, também, ele não menciona PEDRO SOZINHO, mas TODOS ELES: como se ele tivesse dito: Se você procura o exemplo mais inferior ou o mais eminente, em todos você encontra padrões deste tipo.

“For the brethren too of the Lord, being freed from their first unbelief see John 7:5, had come to be among those who were approved, although they attained not to the Apostles. And accordingly the middle place is that which he has assigned to them, setting down those who were in the extremes before and after”.

Tradução: Para os irmãos também do Senhor, sendo libertados da sua primeira incredulidade, veja (João 7: 5), veio a estar entre os que foram aprovados, embora, não alcançassem os Apóstolos. E, consequentemente, o lugar do meio é o que ele atribuiu a eles, estabelecendo aqueles que estavam nos extremos antes e depois. http://www.newadvent.org/fathers/220121.htm

Resumindo: mesmo que São João Crisóstomo acreditasse no matrimônio de São Paulo e São Pedro, não seria nessa obra que ele teria exposto o seu real pensamento. Se eu fosse protestante, eu teria usado São Clemente (risos), seria mais lógico!

No mesmo site (New Advent), no qual, o autor desse artigo que está rolando pela “NET” usou para retirar os comentários do São João Crisóstomo, possui uma versão Bíblica (inglês) e comentários a respeito desse versículo Bíblico adulterado pelo protestantismo. Observem o print abaixo, no qual, a “New Advent” expõe o verso:

Qualquer pessoa com o mínimo de inglês consegue traduzir: A WOMAN WHO IS A SISTER. Nada a ver com: ESPOSA CRENTE.

Agora observem os comentários do site a respeito do texto (tradução feita pelo grupo macabeus):

http://www.newadvent.org/bible/1co009.htm

Tradução: [3] "Mulher" também pode ser traduzida como "esposa"; e esse pode ser o sentido pretendido. Sabemos que São Pedro se casou, e sua esposa, SE AINDA ESTIVESSE VIVA, poderia ter viajado com ele em suas jornadas missionárias. Mas não é impossível que ele, ou, outros apóstolos, tenham SIDO CUIDADOS por MULHERES PIEDOSAS, como nosso próprio Senhor (Lc 8.3). "Irmã" não implica nenhum relacionamento físico ou espiritual; Significa apenas que a mulher era cristã.

Resumindo: Os comentários do site (New Advent), são os mesmos por mim comentados. O termo GUNAIKA pode até ser traduzido por ESPOSA, porém, depende do seu contexto. Nada impede que, essas irmãs fossem mulheres piedosas que cuidavam dos apóstolos, e, assim, o site cita o exemplo das mulheres que acompanhavam Jesus Cristo desde a Galileia.

Se a indagação de São Paulo fosse a respeito da possibilidade de uma colaboradora auxiliar os apóstolos. Quem eram essas mulheres? Simples, eu lhes fornecerei uma lista:

 

  • Dorcas: (Atos 9.36-42).
  • Maria mãe de João Marcos: (Atos 12.2).
  • Lídia: (Atos 16.14,15 e 40).
  • Dâmaris: (Atos 17.34).
  • Priscila: esposa de Áquila: (Atos 18.1-3, 18-21; Romanos 16.3; I Coríntios 16.19).
  • Febe: (Romanos 16.1).
  • Maria Cristã De Roma: (Romanos 16.6).
  • Júnias: (Romanos 16.7).
  • Trifena e Trifosa: (Romanos 16.12).
  • Pérside: (Romanos 16.12).
  • Júlia: (Romanos 16.15).
  • Irmã de Nereu: (Romanos 16.15).
  • Evódia e Síntique: (Filipenses 4.2,3).
  • Ninfa: (Colossenses 4.15).
  • Lóide e Eunice: (II Timóteo 1.5; 3.15; Atos 16.1).
  • Áfia: (Filemom 2). Cláudia: (II Timóteo 4.21).

 

Conclusão: Caros protestantes, infelizmente, essas mulheres não eram esposas de São Paulo. Eu sei que o sexo é algo que atormenta a cabeça protestante, pois, quando se fala em: homem e uma mulher; logo vem à cabeça protestante um filme pornô, mas, para os apóstolos, a moral, ética e o caráter eram as principais virtudes de um verdadeiro Cristão. Ao contrário dos protestantes, os apóstolos conseguiam perfeitamente viajar ao lado se suas colaboradoras sem pensar em possuí-las sexualmente. MULHER IRMÃ, hoje, é conhecida como FREIRAS.

Autor: Cris Macabeus.

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ONLINE
2


Cai a farsa.

Pro Ecclesia.

Servos de Maria.

Apologistas Católicos.

Índice de Mentiras.

Quem sou eu.