As mentiras do Apocalipse Protestante! 

O purgatório (II) Indulgência.

O purgatório (II) Indulgência.

O que são as indulgencias?

Realmente esse é um assunto bem complicado, pois nossos amigos rebelados infelizmente além de não saber nada sobre o assunto inventam mentiras e calunias históricas sobre essa doutrina da Santa Igreja Católica.

A resposta sobre essa pergunta é simples; indulgências são absolvições concedidas pela Santa Igreja em nome de Jesus Cristo à aqueles que se penitenciam em pró do seu próximo, ou seja, uma pessoa oferecendo a sua penitência para absolvição de outra pessoa; seria isso basicamente.

Bem, o que acontece na verdade é que os amigos rebelados negam essa doutrina se justificando que no sacrifício perfeito de Jesus Cristo na cruz, eles afirmam que ninguém precisa se sacrificar em pró de ninguém, pois apenas Jesus Cristo pode fazer seu sacrifício e com esse sacrifício não há mais necessidade se fazer nada em pró de alguém muito menos penitências, na verdade ninguém aqui está negando o sacrifício perfeito de Jesus Cristo, porém o sacrifício perfeito de Jesus Cristo não aboliu a confissão, arrependimento e a penitência, sendo assim, o sacrifício de Jesus Cristo só têm efeito no (NT) para aqueles que se arrependem, se confessam e se penitenciam.

Observem esses textos do (NT):

Confissão.

II Coríntios 2

10. A quem vós perdoais, também eu perdôo. Com efeito, o que perdoei - se alguma coisa tenho perdoado - foi por amor de vós, sob o olhar de Cristo.

Observem que São Paulo diz conceder absolvições em nome de Jesus Cristo.

Penitencia.

II Coríntios 12

21. Receio que à minha chegada entre vós Deus me humilhe ainda a vosso respeito; e tenha de chorar por muitos daqueles que pecaram e não fizeram penitência da impureza, fornicação e dissolução que cometeram.

Romanos 12

1. Eu vos exorto, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual.

Observem que São Paulo já no (NT) pregava a doutrina da penitência, ou seja, essa doutrina existe, é Bíblica e Cristã.

Eu já mostrei que a penitência é Bíblica, porém falta eu mostrar a todos vocês que a penitência em favor do próximo também é Bíblica.

Observem esse texto:

Colossenses 1

24. Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja.

Quantas informações em um só versículo, prestem bem atenção em todas as informações reveladas nesse versículo.

Primeiro: São Paulo se penitenciava pelos outros.

Segundo: São Paulo completava em sua carne o que faltava nas tribulações de Jesus Cristo, ou seja, ele tinha o dever de se penitenciar por seus discípulos.

Terceiro: Ele se sacrificava pelo corpo de Jesus Cristo que é a Igreja, sendo assim, através da Igreja essa penitência chegava até os seus favorecidos.

Como pode um protestante dizer que não existe indulgências na Bíblia?

Agora observem esse texto:

Efésios 3

13. Por isso vos rogo que não desfaleçais nas minhas tribulações que sofro por vós: elas são a vossa glória.
14. Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai,

São Paulo passava por todo o tipo de sofrimento em favor de seus discípulos, ou seja, seu sofrimento favorecia outras pessoas.

Bem, já provado que existe a penitência e que podemos favorecer outras pessoas com a nossa penitência, também temos que provar que podemos favorecer as almas das pessoas que já faleceram, para isso eu vou usar aquele tão conhecido versículo sobre o “Batismo em favor dos mortos”.  

I Coríntios 15

29. De outra maneira, que intentam aqueles que se batizam em favor dos mortos? Se os mortos realmente não ressuscitam, por que se batizam por eles?

Observem meus caros irmãos, no primeiro século existia essa doutrina do “Batismo em favor dos mortos”; não interessa se essa doutrina deixou de existir, ficou no passado ou era só para aquele momento, as pessoas faziam “algo” em pró daqueles que já faleceram, se eu posso me Batizar em favor daqueles que já morreram por que eu não posso oferecer as minhas penitências e as minhas orações em favor daqueles entes queridos que já morreram? Pergunta simples! Porem nenhum protestante responde.

Já inventaram uma moda de que São Paulo não admitia essa doutrina do “Batismo em favor dos mortos”, os rebelados dizem que São Paulo só usou isso como exemplo, mas não admitia essa doutrina (isso é colocar algo que não existe na boca de São Paulo).

Agora eu pergunto para esses rebelados:

Tantos exemplos para São Paulo usar a respeito da ressurreição ele iria usar um doutrina anticristã?  

Nessa mesma carta São Paulo faz varias exortações e vários questionamentos sobre erros doutrinários em Corintos, porém usa uma doutrina anticristã sem fazer um questionamento sobre o erro dessa doutrina?

Termino a minha primeira matéria sobre “Indulgências” deixando no ar essas duas perguntas, porém não creio receber alguma resposta sobre elas.

Autor: Cris Macabeus.