As mentiras do Apocalipse Protestante! 

Jerusalém é a Grande Cidade (Babilônia)!

Jerusalém é a Grande Cidade (Babilônia)!

Caros irmãos Católicos, eu estou afirmando que, JERUSALÉM É A GRANDE BABILÔNIA DO APOCALIPSE. Eu não estou afirmando segundo o meu achismo pessoal assim como fazem algumas seitas protestantes. Eu estou afirmando com propriedades e provando com as próprias Escrituras Sagradas e documentos históricos da época. Na verdade, eu não preciso mais que um versículo para provar o que afirmo. Observem:

“Seus cadáveres (jazerão) na rua da grande cidade que se chama espiritualmente Sodoma e Egito (onde o seu Senhor foi crucificado)” (Apocalipse, Capítulo XI, Verso VIII)  

Este verso nem requer interpretação, pois ele mesmo auto se interpreta, contudo, eu vou elaborar toda argumentação sobre esse assunto.

Primeiro – Vamos acabar com essa baboseira de que, a Babilônia é uma Igreja. Realmente, têm que ser muito desonesto para tentar usar esse tipo de interpretação, lógico, sabendo que a mentira vem do diabo e o protestantismo também - diabo com diabo -, falam a mesma língua. Mas vamos lá... o próprio livros do apocalipse diz quem é a GRANDE BABILÔNIA:

A mulher que viste é a grande cidade, aquela que reina sobre os reis da terra (Apocalipse, Capítulo XVII, Verso XVIII)

Opa! Temos mais duas informações: A mulher é uma GRANDE CIDADE e reina sobre os REIS DA TERRA. Então matamos por aqui essa historinha de que, a Babilônia é uma Igreja, pois, segundo o livro do apocalipse, a Babilônia é UMA GRANDE CIDADE. Se a Babilônia fosse uma Igreja, o verso diria: “A MULHER QUE VISTES É A GRANDE IGREJA QUE REINA SOBRE OS REIS DA TERRA”. Estamos falando de uma cidade, contudo, vamos procurar saber nas Escrituras Sagradas quem é essa cidade.

Caros leitores prestem atenção como os dois textos por mim citados, se referem a UMA GRANDE CIDADE. Sendo assim é justo dizer que, os dois textos acenam à mesma CIDADE. Olhando de fora, qualquer herege iria afirmar que, a GRANDE CIDADE QUE REINA SOBRE OS REIS DA TERRA é ROMA, mas será que é isso que diz as Escrituras Sagradas?

Quem é a GRANDE CIDADE segundo as Escrituras Sagradas?

“Alef. Como está abandonada a cidade tão povoadaAssemelha-se a uma viúva a grande entre as naçõesRainha entre as províncias, ficou sujeita ao tributo... Vau. Desapareceu da filha de Sião toda a sua glória. Seus príncipes se tornaram como cervos que não encontraram pastagens e que fogem, esgotados, diante dos que os perseguem. Zain. Nestes dias de males e vida errante, recorda-se Jerusalém das delícias dos tempos idos. Agora que seu povo sucumbiu sob os golpes do inimigo e ninguém vem socorrê-la! Olham-na seus inimigos, e zombam de sua devastação” (Livro de Lamentações, Capítulo I, I ao VII) 

Observem como o profeta trata a cidade de JERUSALÉM como grande entre as nações!

E como se não bastasse, o profeta nos manda mais duas informações: A Grande Cidade é a RAINHA e VIÚVA. Onde podemos encontrar referências sobre essa rainha que se tornou viúva?

Na mesma proporção em que fez ostentação de luxo, dá-lhe em tormentos e prantos. Pois ela disse no seu coração: Estou no trono como rainha, e não viúva, e nunca conhecerei o luto” (Apocalipse, Capítulo XVIII, Verso VII)

Observem como as Escrituras se completam sobre esse assunto!

E não para por ai, o profeta novamente menciona Jerusalém como A GRANDE CIDADE em outro livro:

“Eis o que me diz o Senhor: Desce ao palácio do rei de Judá, e lá pronunciarás este oráculo... Muitos pagãos, ao passarem perto desta cidade, uns aos outros hão de dizer: Por que assim tratou o Senhor esta grande cidade?” (Livro de Jeremias, Capítulo XXII, Versos I ao VIII)

Nesse texto, o profeta é bem claro. Falando a respeito de Judá, sendo Jerusalém sua capital, o profeta afirma que é UMA GRANDE CIDADE.

Desafio qualquer protestante apresentar um só texto, no qual, as Escrituras afirmam que: ROMA É UMA GRANDE CIDADE. Se isso acontecer, eu retiro meu artigo do site.

Só existe uma cidade além de Jerusalém chamada de GRANDE dentro das Escrituras. Essa cidade se chama: NÍNIVE, no caso, essa cidade foi construída por: Nemrod, um grande rei que se estabeleceu na Babilônia pós-dilúvio.

“Cus gerou Nemrodque foi o primeiro homem poderoso da terra. Ele foi um grande caçador diante do Senhor. Donde a expressão: “Como Nemrod, grande caçador diante do Eterno.” Ele estabeleceu o seu reino primeiramente em Babilônia, Arac, Acad e em Calane, na terra de Senaar. Daí foi para Assur e construiu Nínive, Recobot-Ir, Cale e Resem, a grande cidade entre Nínive e Cale” (Gêneses, Capítulo X, Verso VIII ao XII)

Ou seja, só existem duas cidades denominadas GRANDE: Nínive que foi construída por um rei babilônico e Jerusalém.

A respeito da grande cidade de Nínive, no caso, existe grande diferença com a grande cidade do apocalipse, pois no apocalipse, a grande cidade é retratada como GRANDE em notoriedade e não em sua dimensão. Nínive possuía uma grande extensão territorial, por esse motivo, ela era conhecida por GRANDE CIDADE. Isso é carta fora do baralho.

“E veio a palavra do SENHOR segunda vez a Jonas, dizendo: Levanta-te, e vai à grande cidade de Nínive, e prega contra ela a mensagem que eu te digo. E levantou-se Jonas, e foi a Nínive, segundo a palavra do Senhor. Ora, Nínive era uma cidade muito grande, de três dias de caminho (Jonas, Capítulo III, Versos I, II e III)

Falando sobre a grande cidade do apocalipse, a cidade era conhecida como GRANDE em notoriedade. Então vamos expor o pensamento de alguém imparcial. Citarei aqui o fariseu Flávio Josefo:

“A tribo de Benjamim, em cuja partilha estava Jerusalém, deu paz aos habitantes dessa grande cidade, satisfazendo-se em lhes impor um tributo. Assim, deixando uns de fazer a guerra e outros de vagar a esmo, puseram-se a cultivar e a valorizar as suas terras, e as outras tribos, imitando-as, deixaram também em paz os cananeus, contentando-se em fazê-los tributários” (História das Antiguidades, Flávio Josefo, Livro V, Capítulo II, Verso CXCV) 

“Quando esse grande príncipe subia descalço o monte das Oliveiras e todos se desfaziam em lágrimas em redor dele, vieram dizer-lhe que Aitofel, por uma horrível traição, havia passado para o partido de Absalão. Essa dor foi-lhe mais sensível que todas as outras, porque conhecia muito bem o valor de Aitofel, e rogou a Deus que não permitisse a Absalão seguir os seus conselhos. Quando chegou ao alto do monte, contemplou Jerusalém e derramou muitas lágrimas, pois não fazia diferença entre a perda de seu reino e a saída daquela grande cidade que lhe servia de capital” (História das Antiguidades, Flávio Josefo, Livro VII, Capítulo VIII, Verso CCLXXXIV) 

“Depois de se terem abandonado aos que são praticados pelos maus, eles se aborreciam com os mesmos, como muito ordinários e comuns; para satisfazer à sua abominável brutalidade, não tinham vergonha de procurar outros, que causavam horror à mesma natureza. Vestiam-se de mulheres, penteavam os cabelos, adornavam-se como elas e não as imitavam somente em suas vestes e adereços, mas até na impudência mais desavergonhada, superavam-nas ainda com ações de uma impudicícia abominável. Assim encheram Jerusalém de crimes execráveis, de tal modo que aquela grande cidade parecia um lugar público de prostituição, a mais detestável e a mais horrível de todas as infâmias” (Guerra dos judeus, Flávio Josefo, Livro IV, Capítulo XXXIV, Verso CCCLIV)

“Não podemos dizer a mesma coisa desse primeiro nome que ele afirma ter sido dado a Jerusalém, como sinal do saque dos Templos e ter depois sido mudado? Quando isso fosse mesmo verdade não teríamos tido razão de fazê-lo, pois que embora os sucessores dos que tinham construído essa grande cidade achassem esse nome odioso, ele parecia honroso aos que a tinham fundado, mas o ódio que esse autor nos tinha de tal modo o cegou, que ele não considerou que a palavra "Jerusalém" não significa em hebreu o que significa em grego” (Flávio Josefo, Livro único, Capítulo XII)

Segundo as Escrituras Sagradas e as fontes históricas (Flávio Josefo), Jerusalém é a GRANDE CIDADE. Vamos agora saber se Jerusalém reinava sobre os REIS DA TERRA.

Primeiramente, devemos entender que, as Escrituras Sagradas foram escritas há dois mil anos, dentro de uma cultura totalmente diferente do que conhecemos hoje. Para entender as Escrituras Sagradas, devemos entender a culturas da época, no qual, as mesmas foram escritas. O termo: TERRA, para os Hebreus, na maioria das vezes era usada no sentido de TERRITÓRIO e não, exatamente, a um PLANETA CHAMADO TERRA. Até porque os hebreus sequer sabiam exatamente a dimensão e o formato do planeta terra.

Eu vou provar isso dentro das Escrituras Sagradas:

Conquistou, pois, Josué toda a terra, como o Senhor tinha dito a Moisés, e deu-a em herança a Israel, repartindo-a segundo suas tribos. E a terra repousou da guerra” (Josué, capítulo XI, Verso XXIII)

Segundo as Escrituras Sagradas, Josué havia conquistado TODA A TERRA. Muito bom, mas que terra ele conquistou? O planeta todo? Claro que não! Josué apenas conquistou o território Israelita.

Será que ele conquistou todos os REIS DA TERRA? As Escrituras respondem:

Estes são os reis da terra que Josué e os israelitas derrotaram aquém do Jordão, para o ocidente, desde Baal-Gal, no vale do Líbano, até a montanha nua que sobe para Seir. Josué deu essa terra em possessão às tribos de Israel, dividindo-a segundo suas famílias, tanto na montanha como nas planícies, e sobre as colinas, no deserto e no Negeb, toda a terra dos hiteus, dos amorreus, dos cananeus, dos ferezeus, dos heveus e dos jebuseus.-24 Foram eles: o rei de Jericó, o rei de Hai, perto de Betel; o rei de Jerusalém, o rei de Hebron, o rei de Jerimot, o rei de Laquis, o rei de Eglon, o rei de Gaser, o rei de Dabir, o rei de Gader, o rei de Herma, o rei de Hered, o rei de Libna, o rei de Odolão, o rei de Maceda, o rei de Betel, o rei de Tafna, o rei de Ofer, o rei de Afec, o rei de Lasaron, o rei de Madon, o rei de Asor, o rei de Semeron, o rei de Acsaf, o rei de Tanac, o rei de Magedo, o rei de Cades, o rei de Jacanã, no Carmelo; o rei de Dor, sobre os altos de Dor; o rei de Gojim, em Gálgala; o rei de Tersa. Ao todo trinta e um reis (Josué, Capítulo XII, Verso VII ao IX)

Vemos, então, Josué conquistando trinta e um REIS dentro do território de Israel, ou seja, OS REIS DA TERRA (Como o próprio texto diz).

Sabemos que Jerusalém é A GRANDE CIDADE QUE REINA SOBRE OS REIS DA TERRA. Agora falta descobrir: Quem é a cidade que se chama Sodoma, Egito e onde SEU SENHOR FOI CRUCIFICADO.

Alguém já leu em algum lugar nas Escrituras Sagradas alguém afirmando que, ROMA é igual à SODOMA? Creio que nunca! Até porque, isso não existe, contudo, JERUSALÉM, ao contrário de ROMA, as Escrituras Sagradas a chama de SODOMA.

Observem o que diz o profeta:

“Profecia de Isaías, filho de Amós, a respeito de Judá e Jerusalém no tempo de Ozias, de Joatão, de Acaz e de Ezequias, rei de Judá... Os inimigos, à vossa vista, devastam vosso país. (É uma desolação, como a ruína de Sodoma). Sião está só como choupana em uma vinha, como choça em pepinal, como cidade sitiada” (Isaías, Capítulo I, Versos do I e XI)

Jerusalém, com efeito, ameaça ruína, e Judá se desmorona, porque suas palavras e suas ações se opõem ao Senhor, e desafiam os olhares de sua majestade. Sua parcialidade testemunha contra eles; ostentam seus pecados (como Sodoma), em vez de escondê-los. Ai deles, porque causam dano a si mesmos”  (Isaías, Capítulo III, Versos do VIII e IX)

Outro profeta também diz:

"Mas, entre os profetas de Jerusalém vi obras ainda mais chocante:, vivendo em mentiras, se aliar com o ímpio, de modo que ninguém liga do mal; Para mim, eles são todos como Sodomaos seus cidadãos como Gomorra. Adúlteros" (Jeremias, Capítulo XXIII, Verso XIV)

Como vimos, JERUSALÉM além de ser chamada de GRANDE CIDADE QUE REINA SOBRE OS REIS DA TERRA, também é a cidade que se chama SODOMA. Muita coincidência vocês não acham?

Indo um pouco mais além, vamos saber se JERUSALÉM é chamada espiritualmente de EGITO.

Isso é muito simples. Em ATOS DOS APÓSTOLOS, Cefas (Rocha) faz uma linda pregação, o mais importante nessa pregação foi o momento em que, ele, Cefas, cita uma profecia do (AT):

“Virão, assim, da parte do Senhor os tempos de refrigério, e ele enviará aquele que vos é destinadoCristo Jesus. É necessário, porém, que o céu o receba até os tempos da restauração universal, da qual falou Deus outrora pela boca dos seus santos profetas. Já dissera MoisésO Senhor, nosso Deusvos suscitará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mima este ouvireis em tudo o que ele vos disser. Todo aquele que não ouvir esse profeta será exterminado do meio do povo (Dt 18,15.19)” (Atos dos Apóstolos, Capítulo III, Versos XX ao XXIII)

Algum protestante pode me perguntar: O que isso tem a ver com JERUSALÉM se chamada de Egito? A resposta também é simples:

Deus levantou MOISÉS para o quê? Resposta: RETIRAR O POVO DO EGITO.

Deus levantou um profeta semelhante a MOISÉS para o quê? Resposta: Novamente, retirar o povo do EGITO, lógico, de forma ESPIRITUAL.

Por esse motivo que Deus diz: DO EGITO CHAMEI O MEU FILHO.

Essa mesma profecia foi aludida para Jesus Cristo, porém o profeta Oseias falava da saída do povo Hebreu do Egito para terra prometida, ou seja, se olharmos para o lado espiritual, podemos concluir que, o povo que habitava Jerusalém era descendente do povo que saiu do Egito para conquistar a terra prometida, contudo, como essa cidade ao longo do tempo se prostituiu com deuses pagãos e assassinou todos os profetas, espiritualmente, é como se ela tivesse voltado para o Egito.

Lembrando que para os profetas, JERUSALÉM, e, as duas casa de Israel, nunca saíram do EGITO.

E as suas prostituiçõesque trouxe do Egitonão as deixou; porque com ela se deitaram na sua mocidade, e eles apalparam os seios da sua virgindade, e derramaram sobre ela a sua impudicícia”(Ezequiel, Capítulo XXIII, Verso VIII)

Todavia ela multiplicou as suas prostituições, lembrando-se dos dias da sua mocidade, em que se prostituíra na terra do Egito. E enamorou-se dos seus amantes, cuja carne é como a de jumentos, e cujo fluxo é como o de cavalos. Assim trouxeste à memória a perversidade da tua mocidade, quando os do Egito apalpavam os teus seios, por causa dos peitos da tua mocidade” (Ezequiel, Capítulo XXIII, Versos XIX ao XXI)

Assim farei cessar em ti a tua perversidade e a tua prostituição trazida da terra do Egito; e não levantarás os teus olhos para eles, nem te lembrarás nunca mais do Egito. Porque assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu te entregarei na mão dos que odeias, na mão daqueles de quem tem se apartado a tua alma. E eles te tratarão com ódio, e levarão todo o fruto do teu trabalho, e te deixarão nua e despida; e descobrir-se-á a vergonha da tua prostituição, e a tua perversidade, e as tuas devassidões” (Ezequiel, Capítulo XXIII, Versos XXVII ao XXIX)

São Paulo também diz o mesmo em Gálatas. O apóstolo diz que, Jerusalém terrena corresponde a aliança do Sinai e é escrava que descende a Agar. Para quem não sabe, Agar era uma escrava EGÍPCIA de Sara, esposa de Abraão. Ou seja, Jerusalém era simbolicamente conhecida como Egito pelo apóstolo São Paulo e por todo o cristianismo.

“Porque está escrito que Abraão teve dois filhosum da escrava, e outro da livre. Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinaigerando filhos para a servidãoque é Agar. Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos” (Carta de São Paulo aos Gálatas, Capítulo IV, Versos XXII ao XXV)

Para terminar esse artigo, com muita dificuldade, eu vou provar que a cidade onde SEU SENHOR FOI CRUCIFICADO se chama JERUSALÉM. Nada a ver com a cidade de ROMA, como sugere alguns lunáticos protestantes, aliás, eles levaram a sério aquela história : A FÉ MOVE MONTANHAS (risos). Os protestantes conseguiram mover GÓLGOTA de JERUSALÉM para a cidade de ROMA.

Não é difícil encontrar alguns lunáticos dizendo que, Jesus Cristo não foi crucificado em Jerusalém, segundo eles, GÓLGOTA não fazia parte de Jerusalém (capital da JUDEIA). Isso não passa de mais um sofisma protestante dos muitos que vemos por ai. Na verdade, GÓLGOTA era uma colina que ficava aos redores das muralhas de JERUSALÉM, isso não quer dizer que a colina não fazia parte da cidade, até porque, JESUS CRISTO foi julgado em JERUSALÉM, condenado em JERUSALÉM pelos judeus e segundo as leis JUDAICAS, ou seja, o fato dele ter saído com sua CRUZ nas costas, cruzado as portas da cidade e subido ao monte para ser CRUCIFICADO, não retira a culpa dos JUDEUS E DA CIDADE DE JERUSALÉM.

Imagine você leitor (suposição), um brasileiro que mora na divisa com a Argentina, foi julgado e condenado à morte no Brasil, espancado no Brasil, levado até a fronteira com a Argentina e quando chega à fronteira, esse brasileiro é levado para o lado Argentino, assim, ele é executado naquele local. PRONTO! A culpa da morte desse cidadão não é mais do Brasil e nem dos brasileiros que o mataram, agora, a culpa é: DA IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA! (Risos).

Essa é a mentalidade protestante. Durma com um barulho desses!

Nesse mapa de Jerusalém nos tempo de Jesus Cristo, eu vou mostrar aos leitores, onde ficavam as muralhas de JERUSALÉM e onde ficava GÓLGOTA.

 

O que vocês veem em vermelho são as muralhas. O que vocês veem contornado em AZUL é GÓLGOTA. Assim percebemos o quão longe era GÓLGOTA de JERUSALÉM, aliás, Jesus Cristo deve ter carregando a cruz por cinco dias até chagar à GÓLGOTA (risos).

Segundo a esquizofrenia protestante, o fato de GÓLGOTA pertencer a JERUSALÉM, mas ficar uns 5 km da porta das muralhar, a cidade onde seu senhor foi crucificado se chama ROMA (risos). Sendo assim, a culpa não é mais dos JUDEUS, agora, a culpa é da IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA. Deixo para que o leitor tire suas próprias conclusões.

Deixando toda essa baboseira de lado, eu vou provar biblicamente que, JESUS CRISTO foi crucificado em JERUSALÉM.

Vamos começar com a transfiguração de Jesus Cristo:

“Passados uns oitos dias, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e subiu ao monte para orar. Enquanto orava, transformou-se o seu rosto e as suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura. E eis que falavam com ele dois personagens: eram Moisés e Elias, que apareceram envoltos em glória, e falavam da morte dele, que se havia de cumprir em Jerusalém (Evangelho de São Lucas, Capítulo IX, Versos XXVIII ao XXXI)

Meu Deus! Ou os protestantes não possuem esse livro ou São Lucas estava louco. Segundo São Lucas, MOISÉS E ELIAS falavam sobre a morte de Jesus Cristo que deveria ocorrer em JERUSALÉM. Será que Moisés e Elias erraram na profecia? Segundo os protestantes, SIM.

No mesmo livro, Jesus Cristo diz:

“No mesmo dia chegaram alguns dos fariseus, dizendo a Jesus: Sai e vai-te daqui, porque Herodes te quer matar. Disse-lhes ele: Ide dizer a essa raposa: eis que expulso demônios e faço curas hoje e amanhã; e ao terceiro dia terminarei a minha vida. É necessário, todavia, que eu caminhe hoje, amanhã e depois de amanhã, porque não é admissível que um profeta morra fora de Jerusalém (Evangelho de São Lucas, Capítulo XIII, Versos XXXI ao XXXIII)

Meus irmãos, segundo os protestantes, JESUS CRISTO não sabia o local da sua própria morte! Pena não existir um protestante na época para ensinar JESUS CRISTO que ele deveria morrer em ROMA.

Euzébio de Cesareia também diz: Jerusalém era culpada pela morte de Jesus Cristo.

Observem:

“O mesmo autor faz saber ainda que além destas ocorreram em Jerusalém muitas outras revoltas, afirmando que desde aquele tempo, nem na cidade nem em toda a Judeia faltaram sedições, guerras e maldosas tramas de uns contra outros, até que finalmente chegou o assédio de Vespasiano. Assim é que a justiça divina alcançava os judeus por seus crimes contra Cristo (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia, Livro II, Capítulo IV, Verso VIII)

Para terminar, Jesus Cristo, nosso Senhor e salvador, foi julgado e condenado pelos judeus segundo as leis judaicas.

“Apareceu então Jesus, trazendo a coroa de espinhos e o manto de púrpura. Pilatos disse: Eis o homem! Quando os pontífices e os guardas o viram, gritaram: Crucifica-o! Crucifica-o! Falou-lhes Pilatos: Tomai-o vós e crucificai-o, pois eu não acho nele culpa algumaResponderam-lhe os judeusNós temos uma leie segundo essa lei ele deve morrer, porque se declarou Filho de Deus” (Evangelho de São João, Capítulo XIX, Verso V ao VII)

Resumindo: Jesus Cristo foi julgado, condenado e crucificado pelos Judeus em Jerusalém, ou seja, A CIDADE ONDE SEU SENHOR FOI CRUCIFICADO é JERUSALÉM. Sendo assim, Jerusalém é a GRANDE BABILÔNIA do Apocalipse.

Não adianta o protestantismo chorar, gritar, pular etc. Usar achismo, sofismas e interpretações forçadas para denegrir a Igreja Católica, eu, Cris Macabeus usando desse mesmo artifício, colocaria qualquer igreja protestante dentro dessas profecias, aliás, colocaria o protestantismo inteiro (E eu sou bom nisso). Esse é o tipo de interpretação do eu ACHO. Porém, eu não faço parte dessa imundícia mundana, eu sou verdadeiro, tenho caráter e dignidade, eu tenho o dever de expor a verdade do Cristianismo em meu site. Sendo assim, não me deixo levar pela emoção ao interpretar as Escrituras Sagradas.

Se algum protestante, seja quem for, conseguir refutar meu artigo e provar que, ROMA é a grande cidade onde seu senhor foi crucificado (como eu provei), eu retiro esse artigo do site.

Todos esses artigos serão atualizados posteriormente.

E mais uma vez as Mentiras do Apocalipse Protestante caem por terra.

Autor: Cris Macabeus.

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ONLINE
1